segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Triste fim em entrelinhas

Hoje dois blogs estão fechando as portas: O DicasBlogger e o NokiaBR, que teve de mudar o seu domínio por uma notificação extra-judicial da Nokia.

Quero comentar os dois casos separadamente:

O DicasBlogger foi um blog que li vez por outra simplesmente porque me bato com o Blogger, que nunca entendi como leva uma sova do Wordpress (mesmo porque o Blogger pode tudo o que o Wordpress também pode, e tudo de graça).

Sempre gostei do trabalho de webdesign (o design para web, em si, ainda vai ser considerado uma arte a ser estudada decentemente) e seu blog era bom, tinha conteúdo dedicado, comentários interessantes (que não se limitavam à esfera do Blogger) e tudo o mais.

Qual o motivo alegado pela dona da empreitada, Juliana Sardinha, que deletou até sua conta no Twitter, para o fim? Plágio. É incrível como estejam tão preocupados, hoje, em legislar sobre o éter na internet, mas uma coisa bem mais complexa, e exigindo uma legislação que ao menos tente ser tão rápida quanto a internet – neste caso, toda a fiscalização fica por conta do Creative Commons, que funciona como uma ONG.

Qualquer antropólogo de 140 caracteres sabe que, em uma sociedade sem trocas pecuniárias, a ascensão se dá por prestígio. Desde que ligaram um telefone a um UNIX perdido no espaço-tempo, a sociedade que se formou por trás de monitores tem seu prestígio medido por: a) quantidade de pornografia russa baixada; b)pela produção intelectual, que funciona, muitas vezes, de maneira bem mais rígida, funcional e cruel do que em uma universidade brasileira. Como o DicasBlogger não era sobre pornografia russa, roubar o material produzido pela autora é a maior destruição da ordem vigente que poderia ser perpetrada.

É um argumento cara-de-pau e muito comum, presente desde discussões sobre pirataria até em ladrõezinhos baratos de conteúdo, que dizem que não roubam algo, pois o conceito de roubo é que, quando subtraio algo de você, você não pode usá-lo, enquanto o que ele faz é uma espécie de comunismo cibernético – eu uso, você usa, ele usa e todos vivemos felizes e irresponsáveis.

Aí surgem duas perguntas: 1) você, de fato, pode praticar essa maneira virtualizada de castrismo, mas e o autor original? Não merece nem um link, nem seu nome citado, nem um maldito "muito obrigado"? Roubar um texto parece não ser tão "roubo" assim, mas e roubar uma autoria? Aí não é mais um revolucionário ato de socialização da cultura, é apenas falta de colhões em bom estado de conservação; 2) a patifaria só serviria como desculpa esfarrapada caso considerássemos a escusa de que não há mesmo dinheiro envolvido; e quando o caboclo rouba e fatura em cima? Cadê a inocente e saudável "socialização" do meio?

A parte triste é que a Juliana queria se divertir, e não faturar. E sim, isso é ruim quando se chega a uma situação limítrofe como a dela: se fosse um trabalho, como muitas pessoas que trabalham com blogs, mídia e produção cultural, era só tacar um processo e pronto. É a última moda: processar blogueiro. Processam por qualquer idiotice, mas é raro ver processo por um motivo processável: plágio. No Brasil, subvertemos uma máxima do existencialismo fenomenológico de Sartre, que explicava: "Se amamos uma mulher, é porque ela é amável".

Eu só posso sugerir à Juliana que tire umas férias. Descanse. Depois que você ver que sempre tem um idiota se orgulhando de faturar US$800 com AdSense por roubar conteúdo, pode-se atacá-lo onde realmente dói: reanimar-se para criar um blog famoso, com conteúdo original e público fiel, e logo estar podendo esfregar de volta na cara desse imbecil que você fatura bem mais.

Numa coisa o Twitter trouxe uma vantagem enorme para a blogosfera: agora seu blog não é mais visto apenas pelos que caíram de pára-quedas via Google em sua savana, e acaba fazendo amiguinhos. Agora, cair na mira de alguém com um número de seguidores 3 vezes maior que o seu pode te fazer famoso não apenas entre seus amiguinhos, mas entre toda a blogosfera (e aqueles que só lêem blogs), como um baita de um cretino idiota.

E aqui, novamente, conseguimos dessubverter ao nosso favor, quem tentou subverter o sistema pela primeira vez.

...

Já o NokiaBR recebeu uma notificação estranha. Parece que a Nokia quer retirar o blog do ar, e exigiu que até o endereço fosse trocado, por causa de vocês-sabem-o-quê.

Ora, se eu inventasse uma empresa qualquer, seria um orgulho que neguinho por aí saísse fazendo propaganda gratuita em meu nome, colocando até o nome da minha empresa como título de seu trabalho. Sai muito mais barato (ou seja, de graça, basta apenas lançar bons produtos, o que eles já fazem naturalmente) do que pagar um michê fixo para perobos formados em Propaganda, usando barbicha, óculos de aro rosa e voz saída de algum desenho animado. Ademais, este último expediente tem valor de mercado prático bastante discutível.

Mas o que é que iria querer a Nokia com um blog? Acaso ela acha que o autor está querendo "roubar" suas idéias, e fazer propaganda em nome dela, o que seria um absurdo punível com archotes, tacapes, botas com spikes e gatos mortos?

Ou, melhor dizendo, será que é "a Nokia" que tem interesse nessa história? A Nokia, a mim, continua sendo um dos maiores símbolos da Finlândia, junto com os lados, o metal tristonho e a língua estroncha. Mas deixe seu departamento de relações públicas em sua filial no Terceiro Mundo a cargo de advogados desesperados por faturar milhões assim que têm a Toda-Poderosa Nokia como cliente e adivinhe o que pode acontecer? Basta digitar "Nokia" no Google e sair processando a esmo tudo o que pareça processável, tão-somente para auferir uma boquinha para suas poupanças, sem nada contribuir (pelo contrário) para a empresa.

Claro, isso tudo é apenas uma hipótese do que pode ter ocorrido.

1 pessoas leram e discordaram:

Angelo Flavio disse...

Ola,

Gostaria de saber se há alguma possibilidade de fazermos uma parceria? Quais são suas regras?
E quais são os procedimentos que teremos que tomar para sermos aceitos.

Temos 1 ano de vida e pagerank 1 ( perdemos pagerank quando colocamos domínio própio e migramos para wordpress).

Qualquer interesse esperamos anciosos pelo seu contato. Sucessos.

ATT: WWW.GRANAFACIL.ORG

Postar um comentário

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Triste fim em entrelinhas


Hoje dois blogs estão fechando as portas: O DicasBlogger e o NokiaBR, que teve de mudar o seu domínio por uma notificação extra-judicial da Nokia.

Quero comentar os dois casos separadamente:

O DicasBlogger foi um blog que li vez por outra simplesmente porque me bato com o Blogger, que nunca entendi como leva uma sova do Wordpress (mesmo porque o Blogger pode tudo o que o Wordpress também pode, e tudo de graça).

Sempre gostei do trabalho de webdesign (o design para web, em si, ainda vai ser considerado uma arte a ser estudada decentemente) e seu blog era bom, tinha conteúdo dedicado, comentários interessantes (que não se limitavam à esfera do Blogger) e tudo o mais.

Qual o motivo alegado pela dona da empreitada, Juliana Sardinha, que deletou até sua conta no Twitter, para o fim? Plágio. É incrível como estejam tão preocupados, hoje, em legislar sobre o éter na internet, mas uma coisa bem mais complexa, e exigindo uma legislação que ao menos tente ser tão rápida quanto a internet – neste caso, toda a fiscalização fica por conta do Creative Commons, que funciona como uma ONG.

Qualquer antropólogo de 140 caracteres sabe que, em uma sociedade sem trocas pecuniárias, a ascensão se dá por prestígio. Desde que ligaram um telefone a um UNIX perdido no espaço-tempo, a sociedade que se formou por trás de monitores tem seu prestígio medido por: a) quantidade de pornografia russa baixada; b)pela produção intelectual, que funciona, muitas vezes, de maneira bem mais rígida, funcional e cruel do que em uma universidade brasileira. Como o DicasBlogger não era sobre pornografia russa, roubar o material produzido pela autora é a maior destruição da ordem vigente que poderia ser perpetrada.

É um argumento cara-de-pau e muito comum, presente desde discussões sobre pirataria até em ladrõezinhos baratos de conteúdo, que dizem que não roubam algo, pois o conceito de roubo é que, quando subtraio algo de você, você não pode usá-lo, enquanto o que ele faz é uma espécie de comunismo cibernético – eu uso, você usa, ele usa e todos vivemos felizes e irresponsáveis.

Aí surgem duas perguntas: 1) você, de fato, pode praticar essa maneira virtualizada de castrismo, mas e o autor original? Não merece nem um link, nem seu nome citado, nem um maldito "muito obrigado"? Roubar um texto parece não ser tão "roubo" assim, mas e roubar uma autoria? Aí não é mais um revolucionário ato de socialização da cultura, é apenas falta de colhões em bom estado de conservação; 2) a patifaria só serviria como desculpa esfarrapada caso considerássemos a escusa de que não há mesmo dinheiro envolvido; e quando o caboclo rouba e fatura em cima? Cadê a inocente e saudável "socialização" do meio?

A parte triste é que a Juliana queria se divertir, e não faturar. E sim, isso é ruim quando se chega a uma situação limítrofe como a dela: se fosse um trabalho, como muitas pessoas que trabalham com blogs, mídia e produção cultural, era só tacar um processo e pronto. É a última moda: processar blogueiro. Processam por qualquer idiotice, mas é raro ver processo por um motivo processável: plágio. No Brasil, subvertemos uma máxima do existencialismo fenomenológico de Sartre, que explicava: "Se amamos uma mulher, é porque ela é amável".

Eu só posso sugerir à Juliana que tire umas férias. Descanse. Depois que você ver que sempre tem um idiota se orgulhando de faturar US$800 com AdSense por roubar conteúdo, pode-se atacá-lo onde realmente dói: reanimar-se para criar um blog famoso, com conteúdo original e público fiel, e logo estar podendo esfregar de volta na cara desse imbecil que você fatura bem mais.

Numa coisa o Twitter trouxe uma vantagem enorme para a blogosfera: agora seu blog não é mais visto apenas pelos que caíram de pára-quedas via Google em sua savana, e acaba fazendo amiguinhos. Agora, cair na mira de alguém com um número de seguidores 3 vezes maior que o seu pode te fazer famoso não apenas entre seus amiguinhos, mas entre toda a blogosfera (e aqueles que só lêem blogs), como um baita de um cretino idiota.

E aqui, novamente, conseguimos dessubverter ao nosso favor, quem tentou subverter o sistema pela primeira vez.

...

Já o NokiaBR recebeu uma notificação estranha. Parece que a Nokia quer retirar o blog do ar, e exigiu que até o endereço fosse trocado, por causa de vocês-sabem-o-quê.

Ora, se eu inventasse uma empresa qualquer, seria um orgulho que neguinho por aí saísse fazendo propaganda gratuita em meu nome, colocando até o nome da minha empresa como título de seu trabalho. Sai muito mais barato (ou seja, de graça, basta apenas lançar bons produtos, o que eles já fazem naturalmente) do que pagar um michê fixo para perobos formados em Propaganda, usando barbicha, óculos de aro rosa e voz saída de algum desenho animado. Ademais, este último expediente tem valor de mercado prático bastante discutível.

Mas o que é que iria querer a Nokia com um blog? Acaso ela acha que o autor está querendo "roubar" suas idéias, e fazer propaganda em nome dela, o que seria um absurdo punível com archotes, tacapes, botas com spikes e gatos mortos?

Ou, melhor dizendo, será que é "a Nokia" que tem interesse nessa história? A Nokia, a mim, continua sendo um dos maiores símbolos da Finlândia, junto com os lados, o metal tristonho e a língua estroncha. Mas deixe seu departamento de relações públicas em sua filial no Terceiro Mundo a cargo de advogados desesperados por faturar milhões assim que têm a Toda-Poderosa Nokia como cliente e adivinhe o que pode acontecer? Basta digitar "Nokia" no Google e sair processando a esmo tudo o que pareça processável, tão-somente para auferir uma boquinha para suas poupanças, sem nada contribuir (pelo contrário) para a empresa.

Claro, isso tudo é apenas uma hipótese do que pode ter ocorrido.

1 pessoas leram e discordaram:

Angelo Flavio on 15 de abril de 2011 11:14 disse...

Ola,

Gostaria de saber se há alguma possibilidade de fazermos uma parceria? Quais são suas regras?
E quais são os procedimentos que teremos que tomar para sermos aceitos.

Temos 1 ano de vida e pagerank 1 ( perdemos pagerank quando colocamos domínio própio e migramos para wordpress).

Qualquer interesse esperamos anciosos pelo seu contato. Sucessos.

ATT: WWW.GRANAFACIL.ORG

Postar um comentário